Lições de planejamento que aprendi olhando para um viaduto de Toronto

Não devia ter me surpreendido, mas me surpreendeu. Culpa desse tal background. Tudo começou quando me contaram a história de um viaduto de Toronto: o Prince Edward Viaduct, de 1919. Pra quem conhece a cidade, é um que liga a Bloor St. East com a Danforth Ave. Um viaduto. Um “simples” viaduto que mostra que os caras não brincam quando o assunto é planejamento.

Quem já foi de metrô pro lado East de Toronto, já passou por baixo desse viaduto. Ele liga a Castle Frank Station e a Broadview Station. Visão bonita, aliás. O que a maioria das pessoas não sabe é que toda aquela estrutura por onde o metrô passa já estava ali muito antes do metrô sequer existir. Aliás, o porte deste viaduto pra época já devia ser algo de maluco!

O Prince Edward Viaduct foi construído entre 1915 e 1919. Meio a contragosto da vizinhança, ainda que não tivessem tantos moradores assim por essas bandas de Toronto. Observação: eles foram consultados, algo não muito comum no Brasil quando se fala de obras públicas. O valor, ainda que um tanto salgado pra época, não fugiu muito do orçamento (uau!) – quem cuidou de tudo foi o Sr. R.C. Harris, o mesmo lá da Estação de Água em Scarborough.

viaduct 2

Tudo pronto em 1919, com um detalhe: uma estrutura sob o viaduto pra passar algo. O quê? Sei lá. Quando? Também não sei. Os engenheiros só queriam deixar algo pronto pra não sei o quê do futuro: uma possibilidade. Algo que iria se concretizar quase 50 anos depois, com a chegada do TTC daqueles lados, em 1966. Um planejamento de longo prazo absurdo! E mais: sem perder o foco.

Essa mentalidade é meio que comum quando você olha para um todo no Canadá ou mesmo conversando com seu chefe canadense. Os caras olham pra frente anos-luz. Não são diferentes de nós em estratégias e em fazer o que está dando certo, contudo não perdem o foco do longo prazo nem a pau. Cidadezinhas pequenas com uma puta estrutura de cidade grande do Brasil; rodovias com “n” faixas; aeroportos por todos os lados; sede de pesquisa e tecnologia e inovação; uma pegada meio Jetsons, manja?!

E o que mais me assusta também – no bom sentido, é que os canadenses sabem contar a história de coisas que são públicas: como assim, saber a história de um viaduto? É porque é algo que lhes dá orgulho. É algo positivo. Well… espero um dia construir coisas que as minhas filhas, netos e até o meu país saibam e tenham orgulho de contar. Talvez não seja um viaduto iluminado, mas quem sabe um jardim – comunitário.

.

Cadastre seu email aqui e saiba algumas coisas deste país chamado Canadá.

1 thought on “Lições de planejamento que aprendi olhando para um viaduto de Toronto”

  1. “Tudo pronto em 1919, com um detalhe: uma estrutura sob o viaduto pra passar algo. O quê? Sei lá. Quando? Também não sei. Os engenheiros só queriam deixar algo pronto pra não sei o quê do futuro: uma possibilidade. ”

    Essa passagem não é 100% verdadeira, se você ler a história do viaduto irá constatar que o objetivo desta estrutura já era para atender ao metrô sim! Essa ideia foi proposta anteriormente por Horatio Hocken e quando construiram o viaduto a acataram por estar dentro do orçamento planejado. Mas mesmo assim, não deixa de ser um planejamento a longuissimo prazo completamente admiravel.

Os comentários estão fechados.