Você quer mudar pro Canadá, então mude

Canadá – você está realmente pronto pra mudar?

Muitos discursos esquisitos tem pipocado, principalmente nas redes sociais, in Brazil, sobre temas mais complexos de uma sociedade, tipo: aborto, porte de armas, drogas, privatiza ou não, questões de gênero e tals. Que candidato A vai liberar geral e candidato B vai oprimir geral; mas, o que eu – euzinho – não tô entendendo é: como ser da turma do contra tudo e todos e querer morar de todo o coração no Canadá? Oi?

 

Regra nº 1: conheça, mas conheça mesmo, o país que você quer puxar o seu barraco. Não importa se é no Canadá, Cuba, Iraque ou Groelândia. Saiba em que você está se metendo. E não venha dizer que não avisei. Canadá é bonitinho? É. Tem nevinha? Tem. As crianças nascem falando inglês? Nascem. Mas, cara pálida, uma coisa é você passear por três semanas no país e ligar o “foda-se” pra que os caras pensam; outra coisa, é viver num lugar desses.

 

Ou talvez você seja mesmo da turma do “não aperta que ele peida” e todo esse discurso de ódio seja só “brincadeirinha do zap zap da família”. Pode ser. Agora, se for verdade e você é o tal xiita-terrorzão, tome cuidado… Canadá pode não ser muito recomendado pra você. Não pelo Canadá em si, eles sempre vão te receber de braços abertos. Mas, por você mesmo. Tem algumas coisas nesse país que, talvez, hummm… sei lá… acho que você não vai curtir muito.

 

Mas, como disse o Gandhi, devemos ser a mudança que queremos ver no mundo. Não é o mudar de país, é mudar você mesmo. Sabe aquele basicão: devolver troco errado, respeitar diferenças, tratar todos de forma igual, nada de gato na internet e TV, não furar filas, nada de parar na vaga de deficiente, não pegar o que não é seu e por aí vai… isso é só pra começar. Entende? Não é Brasil ou Canadá. Não é Partido A ou B. É ter vergonha na cara ou não. Beleza?

 

Agora vamos falar de Canadá. O que você pensa sobre a legalização da maconha? No Canadá é liberado. Aborto? Liberado também. Porte de arma? Só pra caçar. Casamento gay, você é contra? No Canadá é liberado. Sistema de Saúde? SUS geralzão. Religiões, tem um panteão de deuses pra todo lado. Índio? Todo dia é dia do índio – e com políticas específicas pra eles. Licença maternidade, um ano. Fora aquele cheiro de socialismo que paira no ar. Topa? Lógico que você não precisa fazer tudo isso, mas… vai sair queimando cueca e sutiã nos parques com raivinha?

 

 

Seguinte, você será respeitado, e você respeitará. Simples assim. Agora, se o seu nível de intolerância e de aproveitamento dos outros é “tô nem ai”… meu amigo, minha amiga…. complica. Como ouvi de uma senhorinha em Toronto: “Essa cidade não é sua, essa cidade não é minha! Essa cidade é de todos!”. E se é de todos, é de todos – todos dão pitaco, todos discutem e pensam juntos, chegam a conclusões juntos, e quer você goste ou não. Eae, tá pronto pra mudar?